Geral

“Sextar” antes da hora: semana de 4 dias úteis conquista espaço no Brasil

Ideia ainda é incipiente, mas empresas nacionais vêm aderindo ao modelo e reduzindo a jornada de trabalho dos colaboradores de 40 para 32 horas semanais

A proposta é tentadora: trabalhar apenas quatro dias na semana, descansar três e ainda receber o salário integralmente, sem qualquer espécie de dedução. Parece utopia, mas a “semana de quatro dias úteis”, que já é uma realidade em países como Islândia, Japão e Emirados Árabes Unidos, vem ganhando cada vez mais força em outras partes do mundo. No Brasil, a ideia de “sextar” antes da hora ainda é incipiente, mas algumas empresas vêm aderindo ao modelo e reduzindo a jornada de trabalho dos seus colaboradores de 40 para 32 horas semanais.

“Um dia a menos de trabalho possibilita um a mais de descanso. Reduz o estresse e amplia a percepção de qualidade de vida. É atrativo para os funcionários, que conquistam mais bem-estar, e também para as empresas, que podem elevar a produtividade, e, consequentemente, os resultados”, explica Karine Camuci, fundadora da Você Empregado, consultoria especializada em recolocação profissional.

De acordo com a especialista, as vantagens da “semana de quatro dias” são ainda maiores. “O modelo favorece a promoção da saúde mental e do bem-estar físico, ajuda na formação de equipes mais eficientes e contribui para a retenção de talentos”, afirma Camuci. A economia de recursos é outro fator de incentivo. “Ter escritórios funcionando menos dias possibilita às empresas reduzirem despesas administrativas de manutenção. Os funcionários, por sua vez, também diminuem os gastos com deslocamento e com alimentação fora de casa”, assegura.

Os fatos corroboram. Em estudo realizado em 2019, a operação japonesa da Microsoft avaliou que, quando os funcionários trabalhavam apenas quatro dias na semana, as despesas relacionadas ao uso de papel e energia diminuíam. O teste indicou ainda que os colaboradores, além de mais felizes, estavam 40% mais produtivos. No Brasil, a martech Winnin também concluiu em pesquisa interna que “sextar” antes aumentou em 17% o equilíbrio entre vidas profissional e pessoal. Na percepção dos funcionários, a atenção ao bem estar físico e à saúde mental subiu em 50%.

Nem tudo, porém, são flores. Na Nova Zelândia, um estudo recente mostrou que três dias de folga não significam, necessariamente, mais tempo livre. Segundo a pesquisa, as empresas do país que adotaram o modelo acabaram, involuntariamente, aumentando o stress dos trabalhadores, uma vez que as cobranças, além de continuarem as mesmas, passaram a estar concentradas. De acordo com os pesquisadores, reduzir a carga horária precisa vir junto com uma mudança no esquema de trabalho e na quantidade de entregas que cada profissional tem. “Uma alternativa seria aumentar o expediente diário. Mas, não acredito que seja uma boa opção”, conclui Karine Camuci.

Você Empregado – É uma consultoria de recolocação profissional que presta os serviços de criação, reestruturação e revisão de currículo; revisão de perfil no LinkedIn; preparo e simulação para entrevista de emprego; além de orientação profissional para planejamento, desenvolvimento ou transição de carreira. Com atendimento personalizado, a Você Empregado orienta os serviços para as necessidades individuais de cada cliente.

“A Você Empregado nasceu com o objetivo de ajudar profissionais a se recolocarem no mercado de trabalho. Os conhecimentos que adquiri por meio de muita pesquisa, treinamentos e aplicação na minha própria carreira estão ajudando profissionais das mais diversas áreas a conseguirem um novo emprego. Em um país como o Brasil, no qual os índices de desocupação são indecorosos, vejo o meu trabalho como carregado também de um propósito social”, finaliza Karine Camuci.

Saiba mais: https://voceempregado.com.br/

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo